Página Inicial Contatos
ATENÇÃO: OBRAS DOS VESTIBULARES 2018:  

 

UFSC 2018
Universidade Federal de Santa Catarina

As Fantasias Eletivas - Carlos Henrique Schroeder
Olhos D'Água - Conceição Evaristo
Manuel Bandeira (col. Melhores Poemas) - Francisco de Assis Barbosa (seleção)
Lucíola - José de Alencar
Comédias para se Ler na Escola - Luis Fernando Verissimo
Quarenta Dias - Maria Valéria Rezende
Valsa n° 6 - Nelson Rodrigues
Nós - Salim Miguel

Acafe
Associação Catarinense das Fundações Educacionais

Auto da Compadecida - Ariano Suassuna
Esaú e Jacó - Machado de Assis
Quarenta dias - Maria Valéria Rezende
As fantasias eletivas - Carlos Henrique Schoereder
Olhos D'Água - Conceição Evaristo

Udesc
Universidade Estadual de Santa Catarina

Esaú e Jacó - Machado de Assis
Olhos D'Água - Conceição Evaristo
As fantasias eletivas - Carlos Henrique Schoereder
Vitória Valentina - Elvira Vigna
Quarenta dias - Maira Valéria Rezende

 
   
Material de Agosto de 2017:  
Melhores Poemas (Biografia) - clique aqui  
Melhores Poemas (Poemas Selecionados) - clique aqui  
   
Material de Julho de 2017:  
Obras de 2017 - análise  
   
   
Material de Maio de 2017:  
Nelson Rodrigues - características  
Nelson Rodrigues - valsa nº 6  
Valsa nº 6 - análise  
   
   
Material de Abril de 2017:  
Esaú e Jacó - Análise  
Esaú e Jacó - Análise Estrutural  
Esaú e Jacó - Autor  
Esaú e Jacó - Enredo  
As Fantasias Eletivas - Análise  
As Fantasias Eletivas - Enredo  
Olhos D´Água - Análise  
Olhos D´Água - Enredo  
Quarenta Dias - Obra  
Tendências Contemporâneas - clique aqui  
Vitória Valentina - Análise  
Vitória Valentina - Resumo  
   
   
   
Material de Março de 2017:  
Arcadismo I  
Arcadismo II  
Arcadismo III  
Arcadismo IV  
Barroco - Escultura  
Barroco - Literatura  
Barroco - Brasil  
Pintores do Barroco  
Luciola - Analise  
Luciola - Literatura  
Quinhentismo I  
Quinhentismo II  
Quinhentismo no Brasil  
   
   
   
Material de Fevereiro de 2017:  
   
Redação ENEM - clique aqui  
   
   

Como se preparar para as provas?

Estas são dicas para você se tornar mais seguro e conseguir aproveitar melhor os momentos de avaliação. Eu faço um desafio: se você se habituar a estas ações e elas não melhorarem suas notas, eu abrirei esse espaço para que você conte sua experiência. E ela se iniciará com minhas desculpas pelas sugestões inúteis.

Por ora, acredito inteiramente nelas!

Professora Elis

Prof Elis Rogéria Pelegrini

Professora de Língua Portuguesa, Literatura e Redação, Graduada em Letras Vernáculas pela UFSC e Mestranda em Sócio-linguística também pela UFSC.

1- Não estude apenas no dia anterior à prova. Crie o hábito de rever o conteúdo em seções relativamente curtas (meia hora por dia, por exemplo), mas todo dia!

2- Acompanhe as aulas com interesse. É nesse momento que o professor passa para você as bases que possibilitam o entendimento do conteúdo.

3-  Converse com seus pais sobre as atividades feitas em sala. Se houver críticas à aula junte a ela também uma sugestão que poderia resolver o problema. Seja gentil ao mencionar crítica e sugestão ao professor. E entenda que sugerir você pode, mas que aceitar ou não a sugestão é um direito do professor. Afinal ele se preparou através de sua formação para lhe ensinar aquele conteúdo!

4-  Exercite o que foi dado em sala. Nesse momento aparecerão as dúvidas que você levará para o professor na aula seguinte. Isso se chama sedimentar conteúdo. Isto é, você está tornando aquilo que viu ou ouviu em sala um fato de seu cotidiano.

5-  Escolha um local tranquilo, arejado e iluminado para estudar. Evite lugares onde barulho ou movimento possam causar distrações. Assim você aproveita melhor o tempo que estipulou para esse fim.

6-  Deixe todo o material necessário à mão para evitar interrupções desnecessárias.

7-  Escolha também mesa e cadeiras confortáveis.

8-  Não estude deitado. Você pode cair no sono.

9-  Estipule um horário para iniciar seus estudos - e para acabar também. Prefira um período em que você não tenha outras atividades ou interesses. Ninguém aproveita bem o que quer que seja, se está preocupado com o programa de televisão que começará em quinze minutos! Planeje, inclusive, pausas para relaxar o corpo e a mente, caso você precise estudar por um longo tempo.

10-  Não descuide da saúde: não adianta nada ‘varar madrugadas' ou deixar de comer para estudar. Deitar e levantar sempre no mesmo horário ajudam o corpo, essa máquina mágica, a extrair o melhor de si. Dormir o suficiente e alimentar-se adequadamente também fazem parte da preparação para as provas. Praticar esportes, além de distrair a mente, alivia a tensão - pela liberação das endorfinas que relaxam o sistema nervoso central - e aumentam a capacidade de concentração.

11-  Leia jornais e revistas. As provas quase sempre se baseiam em fatos que estão em discussão na sociedade. E mesmo quando as provas não se usam de fatos atuais, ainda assim o conhecimento deles possibilita conclusões e inferências que demonstram inteligência e preparo.

12-  Use a Internet em seus estudos. Existem vários ‘sites' interessantes e enriquecedores.

13-  Não decore, aprenda! Se você consegue falar sobre o que leu ou ouviu, conseguirá discutir sobre as indagações do professor e respondê-las a contento.

14-  Separe todo o material na noite anterior à prova: lápis, canetas, borrachas etc. Isso vale também para dias sem prova. O ritual de se preparar para a aula prepara sua mente para os acontecimentos do dia.

15-  Ao receber a prova, leia as questões com calma e atenção. Ao se deparar com alguma dificuldade, passe para outra que você pode responder. Assim, você recupera a tranquilidade e aumenta a confiança para resolver o resto da prova.

Fonte: http://www.oportaldosestudantes.com.br/dicas.asp
 
 

Dez erros muito graves

Adaptado de: Manual de Redação e Estilo , Agência Estado/ Org. por Sérgio Biagi Gregório

Os dez deslizes abaixo estão na lista do que seria inadmissível para a linguagem culta!

1- ‘Quando estiver voltado da escola'.

Não confunda ‘tiver' e ‘tivesse' (verbo ter) com ‘estiver' e ‘estivesse' (verbo estar).

Diga então: ‘Quanto tiver voltado da escola'. / ‘Quando estiver voltando da escola/ Quando estiver satisfeito'. / ‘Se tivesse saído mais cedo'. / ‘Se estivesse em condições de te falar a verdade'...

2- ‘Desejo que você seje feliz'.

A forma que indica ‘desejo' para os verbos ‘ser' e ‘estar' é seja e esteja.

Assim: Desejo que seja feliz. / Quero que esteja alerta. Jamais use ‘ seje' ou ‘ esteje'

3- Ele é de menor .

O de não deve aparecer nessa expressão.

Fale: ‘Ele é menor'. Ou ‘Ele é menor de idade'.

4- A gente fomos embora.

Aqui você tem até duas opções. Mas não a que foi mostrada acima! A concordância normal pode ser feita assim: ‘A gente foi embora'. Ou assim: ‘Nós fomos embora.' (Essa última é considerada mais culta, porém as duas formas são corretas).

Dizemos também: ‘ O pessoal chegou (e nunca ‘O pessoal chegaram '). / A turma falou (e não ‘A turma falaram' ). A ideia contida nas palavras ‘pessoal/ turma/ a gente ' é plural, mas a palavra, não!

5- De formas que.

Locuções desse tipo não têm s . Portanto você poderá usar: ‘De forma que', ‘de maneira que', ‘de modo que' etc.

6- Fiquei fora de si .

Os pronomes devem combinar. O que significa dizer que o adequado é afirmarmos: ‘Fiquei fora de mim.' (eu - mim) / ‘Ele ficou fora de si.' (ele - si) / ‘Tu ficaste fora de ti.' (tu - ti)/ ‘Ficamos fora de nós.' (nós - nós) / ‘Ficaram fora de si.' (o pronome eles usa também o ‘si')

7- Acredito de que.

Não use o de indiscriminadamente! Ele é especial! Vem apenas junto de alguns verbos.

Veja: ‘ Acredito que' ou ‘ Acredito em que' ( A segunda forma é a mais culta, pois quem acredita, acredita em algo) , ‘Penso que' ou ‘Penso em que' (A segunda forma é a mais culta, porque quem pensa, pensa em algo), ‘Necessito que' ou ‘Necessito de que' (A segunda forma é a mais culta, porquanto quem necessita, necessita de algo) ‘Julgo que' (Tem apenas uma forma, já que quem julga, julga algo).

Faça esse teste de encaixar o ‘algo'. O acompanhante dele, acompanhará também a palavra ‘que'.

8- Fale alto, porque ele houve mal. A confusão está-se tornando muito comum. O adequado é: ‘Fale alto, porque ele ouve mal'.

Houve é forma de ‘haver'. Significa ‘existir' ou ‘acontecer'. Por exemplo: ‘Houve muita chuva nesta semana'.

9- Ela veio, mais você, não.

O apropriado é a palavra ‘mas', conjunção, que indica ressalva, restrição, oposição. Por isso usamos: ‘Ela veio, mas você, não'.

O ‘mais indica intensidade, exagero'. Como em: ‘Ela veio mais cedo do que os outros'.

10- Fale sem exitar .

Aqui o erro é de grafia! Escreva certo: ‘hesitar'.

Veja outros erros de grafia e entre parênteses a forma correta: " areoporto " (aeroporto), " metereologia " (meteorologia), " deiche " (deixe), “ axo ” (acho), enchergar (enxergar), " exigue " (exige). E nunca troque menos por " menas ". Essa palavra não existe em nossa língua!

Quando você se esforça para melhorar seu nível de linguagem, outras mudanças acontecem.

Você se torna (mesmo que lentamente) mais reflexivo e seus pensamentos também se tornam mais claros.

Em consequência, muito certamente, as pessoas passarão a dar mais valor às opiniões que você emitir.

Um beijo.

Professora Elis
 
 

Vivo pedindo aos meus alunos uma atenção especial ao ato de pontuar.
Mostrarei agora um exemplo da importância de pontuar corretamente nosso texto.

Um homem rico estava  à beira da morte. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:

"Deixo meus  bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta
do  alfaiate nada aos pobres.”

Em meio à agonia, antes de reler seu texto e perceber a ausência da pontuação, morreu. 

A quem deixava ele a fortuna? Eram quatro os  concorrentes.

1) O sobrinho fez a seguinte  pontuação:
"Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho.  Jamais será paga a
conta do alfaiate. Nada aos pobres."

2) A  irmã preferiu pontuar assim o escrito:

"Deixo meus bens  à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do  alfaiate. Nada aos pobres.”

3) O alfaiate pediu a cópia do  original e quis se favorecer:
"Deixo meus bens à  minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a
conta do  alfaiate. Nada aos pobres.

4) Aí chegaram os ‘descamisados' da  cidade. Um deles, muito sabido, fez esta
interpretação:
"Deixo  meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a
conta do alfaiate? Nada! Aos pobres. "

  ASSIM É A VIDA. NÓS É  QUE COLOCAMOS OS PONTOS. E ISSO FAZ TODA A DIFERENÇA!

Fonte: http://www.mundovestibular.com.br/articles/5379/1/A-importancia-da-Pontuacao-/Paacutegina1.html [Visitado em 28/04/2010]
 
 

Sabe o que é tautologia?

Consiste na repetição de uma ideia com palavras diferentes, porém com o mesmo sentido, por isso se trata de uma inadequação.
São exemplos clássicos 'subir para cima' ou 'descer para baixo'.

Mas há outros, como pode ver na lista a seguir:

- elo de ligação
- certeza absoluta
- quantia exata
- nos dias 8, 9 e 10, inclusive
- juntamente com (Diga ‘juntamente a')
- expressamente proibido
- em duas metades iguais
- sintomas indicativos
- há anos atrás
- vereador da cidade
- outra alternativa (‘Diga uma alternativa')
- detalhes minuciosos
- a razão é porque
- anexo junto à carta
- de sua livre escolha
- superávit positivo
- todos foram unânimes
- conviver junto
- fato real
- encarar de frente
- multidão de pessoas
- amanhecer o dia
- criação nova
- retornar de novo
- empréstimo temporário
- surpresa inesperada
- escolha opcional
- planejar antecipadamente
- abertura inaugural
- continua a permanece( r )
- a última versão definitiva
- possivelmente poderá ocorrer
- comparecer em pessoa
- gritar bem alto
- propriedade característica
- demasiadamente excessivo
- a seu critério pessoal
- exceder em muito

Tais repetições são dispensáveis, portanto deselegantes.

Se você as evitar no dia-a-dia, muito dificilmente, ocorrerá uma 'surpresa inesperada' , quando for obrigado a se expressar formalmente.

Fique atento!

Professora Elis

 

 

 

 

 


colegioideologia.com.br -| HOME | HISTÓRICO | ESTRUTURA | EQUIPE | VESTIBULARES | EVENTOS | LINKS | CONTATOS